quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Napoléon, Sacha Guitry, 1955

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Previsão


''Os republicanos estão fora do mundo. 
Só conhecem a América e mal.'' 
Mário Soares 

(em 2011, em entrevista à RTP, pelos seus 87 anos, sobre as eleições norte-americanas)

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

''- Honey, nothing can live unless something dies.''

The Misfits, John Huston,1961

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Canto, sem perguntar à Musa / Se o canto é de terror ou de beleza.

Orfeu  rebelde
Miguel Torga


Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a fúria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade do meu sofrimento.

Outros, felizes, sejam os rouxinóis...
Eu ergo a voz assim, num desafio:
Que o céu e a terra, pedras conjugadas
Do moinho cruel que me tritura,
Saibam que há gritos como há nortadas,
Violências famintas de ternura.
 
Bicho instintivo que adivinha a morte
No corpo dum poeta que a recusa,
Canto como quem usa
Os versos em legítima defesa.
Canto, sem perguntar à Musa
Se o canto é de terror ou de beleza.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Cahiers / TOP 10 de 2017


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Textual.

Ace in the hole, Billy Wilder, 1951 

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Interioridade / que coisas eu não imaginei poder fazer de ti


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

We are wrong. That's how we know we're alive.





American Pastoral, Ewan McGregor, 2016

Don't you fancy joining the revolution?

One, Two, Three, Billy Wilder, 1961






Le Nouveau Testament, Sacha Guitry, 1936






quarta-feira, 29 de novembro de 2017

29/11/2017 - Ciclo ''Quem és tu, cinema?'' - JE T'AIME MOI NON PLUS:ARTISTES ET CRITIQUES (Lisboa)



domingo, 26 de novembro de 2017

TOP 15 ou

''Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.''
Fernando Pessoa (Tabacaria)

A revista brasileira Cineplot pediu-me um Top 15 (de todos os tempos!) e eu, que nem me meto nisso dos Tops, desta vez alinhavei um, num guardanapo. Saiu-me isto mas, fosse o café mais demorado, e ter-me-ia saído outra coisa qualquer.


Yellow Sky (1948) de William A. Wellman

1. The Searchers (John Ford)
2. The Wind (Victor Sjöström)
3. L'Atalante (Jean Vigo)
4. Metropolis (Fritz Lang)
5. Pandora and the Flying Dutchman (Albert Lewin)
6. À Beira do Mar Azul (Boris Barnet)
7. India Song (Marguerite Duras) 
8. L'Année Derniére à Marienbad (Alain Resnais)
9. Yellow Sky (William Wellman)
10. Le Mépris (Jean-Luc Godard)
11. Cicatrice Interièure (Philippe Garrel)
12. Vampyr (Dreyer) 
13. Imitation of Life (Douglas Sirk)
14. A Matter of Life and Death (Michael Powell)
15. World on a Wire (Fassbinder)


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

O Lugar da Crítica: Bruno de Andrade actualiza Lourcelles

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Apresentação de "O Círculo Vermelho", por Rui Nogueira (via LUCKY STAR - Cineclube de Braga)

16/11/2017


Benning Bardot


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

LEFFEST 2017 // ISABELLE HUPPERT: RETROSPECTIVA DE FILMES E EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS

Liberté #1

À Nous La Liberté,  René Clair (1931)


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Under Your Spell

domingo, 12 de novembro de 2017

14/11/2017 - Ciclo ''Quem és tu, cinema?'' - JE T'AIME MOI NON PLUS:ARTISTES ET CRITIQUES (Porto)


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Replacement Therapy.


: Song of Myself

Control, Anton Corbijn, 2007

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

ser homem pela cabeça.


The Damned Don't Cry (Vincent Sherman, 1950)

domingo, 5 de novembro de 2017

Marie pour Mémoire (you can't put your arm around a memory)





Suspicion, Alfred Hitchcock,1941

''filmam 'à esquerda' por álibi, porque vivem à direita''

Anatomie d'un rapport ,Luc Moullet, 1976
"Da mesma forma, e a partir das mesmas constatações, eu acredito que não é possível fazer filmes de esquerda verdadeiramente interessantes hoje. A renovação deve vir dos filmes de direita, essencialmente. Porque a esquerda hoje é o conformismo e porque, à parte as pessoas que são verdadeiramente de direita, todo mundo finge ser de esquerda. Vemos assim dessa forma que, geralmente, filmam 'à esquerda' por álibi, porque vivem à direita. No meu caso, como vivo à esquerda, posso me permitir filmar 'à direita'. Ora, além disso, nota-se que, precisamente, os filmes que trouxeram algo novo e interessante recentemente são filmes como os de Jacopetti ou os de Rohmer, que são os verdadeiros filmes revolucionários. Ma nuit chez Maud não é um filme 'engajado' mas, ao contrário, um filme completamente indiferente aos problemas que estão na moda, e que na realidade se ocupa de problemas totalmente desconhecidos pelo cinema contemporâneo. É isso que é importante. É isso que deve purificar nosso esquerdismo e nossa crítica da sociedade."
Luc Moullet entrevistado por Michel Delahaye e Jean Narboni, Cahiers du cinéma no. 216, outubro de 1969, pp. 44-45
(via Sérgio Alpendre/ Bruno Andrade)

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

''I wanna make friends with myself''


Me and My Brother, Robert Frank (1969) in
DON'T BLINK - ROBERT FRANK, Laura Israel, 2015 

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

1/11/2017 - QUANDO A NOITE CAI EM BUCARESTE ou METABOLISMO (Lisboa)


terça-feira, 31 de outubro de 2017

Halloween 2017 no Nimas




PESADELO EM ELM STREET (Wes Craven, 1984) - 23h:  Noite de Halloween no Espaço Nimas



sexta-feira, 20 de outubro de 2017

20.10.2017 / Pedro Mexia + Filipe Melo no FOLIO




''Esta Sexta-feira, dia 20, irei pela primeira vez ao FOLIO - Festival Literário Internacional de Óbidos. Estarei a conversar com o Sr. Pedro Mexia sobre cinema. É uma espécie de Dr. Jekyll e Mr. Hyde: um antigo director da Cinemateca vs. distribuidor oficial do The Room em Portugal. Vai dar molho. Às 17.30.'' Filipe Melo @FB

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

18/10/2017 - Ciclo ''Quem és tu, cinema?'' - ATRAVES DAS OLIVEIRAS de KIAROSTAMI (Lisboa)


terça-feira, 17 de outubro de 2017

AL GORE participa no DocLisboa'17


PARTICIPAÇÃO POR VÍDEO DE AL GORE EM DEBATE APÓS EXIBIÇÃO DE AN INCONVENIENT SEQUEL: TRUTH TO POWER

CONVERSA COM MARCEL CARRIÈRE, 
REALIZADOR E HISTÓRICO DIRECTOR DE SOM DO CINEMA DO QUEBEQUE DESDE 1958

Iº ENCONTRO LUSO-ALEMÃO DE PRODUTORES


An Inconvenient Sequel: Truth to Power - sessão seguida de debate, com intervenção de Al Gore

An Inconvenient Sequel: Truth to Power será exibido no dia 26 de Outubro, às 18h00, no Grande Auditório da Culturgest. Uma década após An Inconvenient Truth ter trazido as alterações climáticas para o cerne do imaginário popular, chega a continuação que mostra o quão próximo estamos de uma verdadeira revolução energética. Al Gore prossegue a sua luta incansável.

A sessão é seguida por um debate com João Camargo (Climáximo), Júlia Seixas (Climate-KICCENSEUNL), Sérgio Ribeiro (Climateers) e Sónia Balacó (actriz, activista ambiental) e moderação de Francisco Ferreira (ZERO), onde Al Gore fará uma intervenção em vídeo.

A sessão é uma parceria com The Climate Reality Project e ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável.
 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

As fendas na parede do imenso.

Daniel Jonas, Oblívio

(Anemone)

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

4/10/2017 -Ciclo ''Quem és tu, cinema?'' - IRMA VEP de OLIVIER ASSAYAS (Porto)

terça-feira, 10 de outubro de 2017

And don't tell me what to do / Don't tell me what to say

domingo, 8 de outubro de 2017

“What we are doing here is only the image of what we would like to do.” Marquis de Sade

Faisons Un Rêve, Sacha Guitry, 1934

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

4/10/2017 -Ciclo ''Quem és tu, cinema?'' - DON QUIJOTE DE ORSON WELLES (Lisboa)

Aquecimento



Destaque DOC LISBOA 2017 / ''Todas as cartas de Rimbaud'' de EDMUNDO CORDEIRO, 2017